Fatos Fatos famosos Fatos recentes

É importante relembrar erros da ditadura para quem já os esqueceu, afirma pesquisadora – 01/07/2020 – Poder

O projeto peculiar da Folha sobre o que foi a ditadura é importante não exclusivamente para os que são novos demais para ter vivido sob o regime militar, mas para toda a população, afirma Kathryn Hochstetler, professora de desenvolvimento internacional da LSE (London School of Economics and Political Science​).

“A memória se enfraquece também nos que já têm idade suficiente para tê-la maduro”, afirma Hochstetler, cuja pesquisa abrange o Brasil e outros países latino-americanos. “O governo militar impôs limites aos direitos políticos, sociais e econômicos dos brasileiros, e as reportagens da Folha mostram essas diversas facetas.”

No último final de semana, a Folha publicou o projeto peculiar “O Que Foi a Ditadura”, que disseca os fatos do regime militar de 1964-85 e é direcionado principalmente a pessoas que não o viveram diretamente.

O jornal também lançou um curso online gratuito sobre a ditadura (mais de 40 milénio alunos viram a primeira lição) e uma campanha publicitária que resgata os valores da democracia —padrão de governo bravo por 75% da população, um patamar recorde, segundo pesquisa Datafolha.

Segundo a professora Hochstetler, é importante também relembrar a campanha Diretas Já, porque foi um momento que reuniu pessoas de diversas correntes políticas e sociais protestando contra a ditadura em um momento em que isso ainda trazia risco.

“Agora que os brasileiros têm estado frequentemente divididos pela política, é fundamental olhar para trás e relembrar um momento em que praticamente todos viam que a ditadura não havia funcionado e a democracia, com todas as suas falhas, era o caminho que eles escolhiam”, disse Hochstetler. “Fico feliz de ver que, segundo a pesquisa Datafolha, eles ainda concordam com isso.”

Para Ana Luiza Morais Hannotte, da Coordenação Brasil na Anistia Internacional da Bélgica, “a reflexão a saudação da ditadura militar no Brasil merece lugar de destaque em discussões de direitos humanos”, por abordar temas que repercutem no presente.

Segudo Hannotte, que é rabi em relações internacionais pela Université Libre de Bruxelles, as reportagens especiais e o curso de história promovidos pela Folha dão “um passo importante na divulgação dos reflexos deste período, construindo uma ponte para se compreender a perenidade de práticas de devassidão e de práticas repressivas deste contexto até hoje”.

Relembrar a história e mostrar às novas gerações “as atrocidades do pretérito” é fundamental para prometer que as violações não se repitam, afirma o jurisperito e pesquisador Paulo Lugon Arantes, doutor em recta internacioal e direitos humanos pela Universidade de Leuven (Bélgica).

“Aprendemos a duras penas que os direitos humanos, a democracia e o Estado de Recta devem ser cultivados a cada dia, sob o risco perder-se todo um esforço de décadas”, afirma Arantes, que atua em causas de direitos humanos na ONU e em instituições europeias.

Ele diz que o Brasil tem um processo de justiça em relação à ditadura bastante procrastinado, em conferência a outros países do Cone Sul, e que “a impunidade, ainda mais com relação aos crimes de Estado cometidos na democracia, é responsável por um clima de frustração vernáculo, que impede que a sociedade foque em outros processos de desenvolvimento”.

Iniciativas porquê a da Folha, segundo Arantes, ajudam a fortalecer a democracia no país.

Hannotte acrescenta que as reportagens da edição peculiar revelam estruturas que resistiram à transição e ao término da ditadura e que, hoje, “geram entraves na resguardo de direitos básicos”.

“A campanha da Folha nos convida a tomar essa posição sátira e, mais uma vez, combater o fetiche do totalitarismo”, afirma ela.

A Anistia Internacional afirma que a campanha pela democracia alinha-se à atual premência de concordar as instituições brasileiras em resguardo do Estado de Recta diante de um governo do qual presidente, Jair Bolsonaro, já defendeu publicamente crimes hediondos cometidos pela ditadura.

Em nota, a entidade diz que “todos têm responsabilidade de lançar luz sobre a negrume” e que o momento é de mostrar que o porvir do Brasil é de progresso e não de repressão.

“Agora é a hora de concordar as instituições públicas do Brasil na resguardo do Estado de Recta e no base aos direitos humanos básicos —mostrando que o porvir do Brasil é de progresso, não de repressão.”

A entidade afirma ter sido fundada sobre a teoria de que as pessoas comuns podem gerar “mudanças duradouras” desde que se importem com seus semelhantes e demonstrem solidariedade.

“É por isso que falar contra os abusos atuais contra povos indígenas, quilombolas, comunidades rurais, pessoas LGBTQI + e jovens negros é vital. Jair Bolsonaro defendeu publicamente crimes hediondos cometidos sob o idoso regime militar, incluindo o uso de tortura”, diz o texto enviado à Folha.

Manadeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *