Fatos Fatos famosos Fatos recentes

Economistas temem populismo e agenda desenvolvimentista com governo Bolsonaro mais fraco – 26/04/2020 – Mercado

O esgotamento político do presidente Jair Bolsonaro deve enterrar de vez a agenda liberal do ministro Paulo Guedes (Economia) e levar o governo a adotar uma posição mais intervencionista para tentar promover a recuperação da atividade econômica no período pós-pandemia.

Essa é a avaliação de economistas ouvidos pela Folha, que discordam, no entanto, sobre a viabilidade de uma estratégia que aumente a presença do Estado na economia, por meio, por exemplo, do projecto de investimentos em infraestrutura com recursos públicos.

Alessandra Ribeiro, diretora da dimensão de Macroeconomia e Estudo Setorial da consultoria Tendências, afirma que os sinais são os de que o país tende a caminhar novamente para uma política econômica nacional-desenvolvimentista.

Ela diz que a projeção de queda do PIB (Resultado Interno Bruto) de 4,1%, traçada até agora pela Tendências, com a possibilidade de que a economia só volte ao nível de 2019 no término de 2021, já se mostra otimista diante do novo envolvente político criado com a saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Para Ribeiro, com Bolsonaro mirando a eleição de 2022, haverá uma tentativa de trazer desenvolvimento a qualquer preço. É grande o risco de se repetirem políticas que não deram patente no pretérito.

No caso de um processo de impeachment, que começa a ser defendido por alguns partidos, também há dúvidas em relação a uma vez que seria o alinhamento de um eventual novo presidente com os demais Poderes e o peso da agenda liberal do ministro Paulo Guedes.

“Dificilmente o ministro continuaria no governo com esses sinais de que não vai ter espaço para executar a agenda dele. Se ficarem cada vez mais fortes as vozes dentro do governo, do presidente e da flanco militar que o apoia, de que a política econômica tem de ser dissemelhante, numa risco nacional-desenvolvimentista, o ministro não deve permanecer. Os outros bons nomes da equipe saem também. Ninguém chancela um projeto uma vez que esse”, afirma Ribeiro.

Piora o cenário o lançamento, na semana que passou, do Pró-Brasil, projecto da dimensão de infraestrutura chamado pela equipe econômica de novo PAC (Programa de Aceleração do Incremento), numa referência à política de Dilma Rousseff. O projeto prevê investimentos com orçamento suplementar de R$ 30 bilhões no Ministério da Infraestrutura em três anos, com a proposta de gerar de 500 milénio a 1 milhão de empregos posteriormente o término da pandemia do coronavírus.

“O nosso receio maior é que a política econômica pode ser alterada, de uma vez que fica a política fiscal, de mexerem na regra do teto, para acomodar esse tipo de gastos. Isso traria um dispêndio muito grande para a atividade econômica, aumentaria a percepção de risco dos agentes em relação ao Brasil, limitando a reação da atividade econômica e do serviço.”

A economista Monica de Bolle, pesquisadora do Peterson Institute for International Economics, afirma que o Brasil experimenta a junção de um problema de saúde pública e econômico com uma crise política, o que dificulta uma resposta rápida do país aos seus desafios.

“Isso dificulta a resposta à crise agora, que já está atrasada, e prejudica muito o que vem depois. A gente está caminhando para um colapso totalidade do sistema de saúde. Não sei uma vez que fica a capacidade de gestão posteriormente essa crise”, diz ela.

O impeachment, avalia, pioraria tudo, pois prejudicaria a capacidade de resposta imediata à crise. “Esse não é um argumento anti-impeachment, é uma veras —se é que existe alguma capacidade de resposta neste governo. Por outro lado, a gente também pode pensar que, se houver uma forma rápida de mudar as lideranças, talvez as coisas saiam do papel.”

Solange Srour, economista-chefe da gestora ARX Investimentos e colunista da Folha, afirma que o governo já sinalizava que abandonaria a política de austeridade e as reformas de Guedes.

“Mesmo posteriormente o início da crise do coronavírus, havia dúvidas sobre a volta para a situação inicial de tentar autenticar algumas reformas. O mercado já estava vendo a possibilidade de um estrago econômico maior. Já estava tendo impacto no dólar, nos juros, na Bolsa. Agora, a situação se agrava muito. O governo vai precisar ir para o populismo para se sustentar. Não é mais uma incerteza”, afirma.

“A gente vai ter uma agenda de estímulos para a economia com mediação estatal e distribuição de cargos para tentar dar suporte a um governo fraco”, diz Sour.

“Se havia dúvidas antes das acusações de que o governo poderia mudar a rota, agora tem uma certeza de que isso vai sobrevir, mesmo com o Guedes lá. Ele vai ser enfraquecido. Isso atrapalha muito o Brasil, justo em um momento em que a gente começaria a saída do isolamento e aprofunda a recessão.”

Projecto Pró-Brasil

Sobre o projecto Pró-Brasil, encampado pela flanco militar do governo e que causou dificuldade na Economia, ela diz que R$ 30 bilhões, dentro do Orçamento, é até um valor pequeno, mas que é a medida é simbólica, porque mostra o isolamento da equipe econômica.

“Indica que o governo quer finalizar com o teto de gastos. Já se discute fazer isso com um orçamento paralelo. É uma sinalização de que a equipe econômica está perdendo força porque não está entregando e não vai conseguir entregar desenvolvimento”, afirma Srour.

“O Brasil só consegue financiar infraestrutura com setor privado e capital extrínseco. É por isso que a agenda de concessões e de privatizações era tão importante. Para fazer financiamento público, teria de ter alguma reforma para diminuir o gasto obrigatório. Vai imprimir numerário? O Banco Medial vai financiar essa dívida? Usar reservas?”

Segundo ela, todas as alternativas levam a soluções mirabolantes, que provocam a fuga do real. “É perda de crédito”, afirma.

Esther Dweck, professora do Instituto de Economia da UFRJ e ex-secretária de Orçamento Federalista no governo Dilma Rousseff, afirma que a verificação com o PAC não se sustenta em função da dimensão das propostas em termos de gastos, mas afirma que um projecto de investimentos públicos é fundamental para prometer uma saída mais rápida da crise atual.

“Se a queda no consumo, que é muito centrada no período da crise, vai ser grande, a queda dos investimentos vai ser muito maior. Ter um projecto de investimentos focado em infraestrutura é fundamental, não só para gerar serviço, para prometer que a economia cresça mais rápido, mas também para fortalecer uma dimensão que vai ser muito afetada pela crise, uma vez que a construção”, afirma Dweck.

“Porque não aproveitar para melhorar a infraestrutura e gerar serviço? E tem de ser com investimento público também. Não dá para ser, uma vez que o ministro Paulo Guedes queria, só investimento privado. Num cenário de uma economia que já vinha lenta, temos a possibilidade de um ‘L’, que é quando você cai e não volta, o que pode sobrevir se o governo não atuar. Pode ser licença, pode ser PPP, mas principalmente recurso público. O setor privado vai estar super contraído.”

Monica de Bolle também afirma que vários países vão lançar mão de planos de infraestrutura financiados por investimentos públicos uma vez que secção da reconstrução da economia e que a mesma coisa pode sobrevir no contexto brasílio.

“Tirando o trajo de o Pró-Brasil ainda não viver, a teoria de ter um projecto de infraestrutura uma vez que maneira de dar sustentação à economia na saída me parece bastante sensata. Existe no Brasil essa má caracterização do investimento público por justificação do que aconteceu no governo Dilma, mas é inverídico pensar dessa forma. O investimento público é bom”, afirma.

“Na saída da crise, não vai ter ninguém do setor privado querendo colocar numerário em infraestrutura. Tem de ser numerário público mesmo. Não tem escolha.”

Alessandra Ribeiro, da Tendências, discorda. Ela afirma que o Pró-Brasil, que parece uma coisa inicialmente modesta e pouco prejudicial, pode lucrar volume ao longo do tempo e deixar novamente um passivo de obras incompletas e disfuncionais espalhadas pelo país. Para ela, a recuperação mais rápida do país depende, em primeiro lugar, de um envolvente de tranquilidade política para reduzir as incertezas e permitir uma retomada da agenda de reformas e a melhora das condições financeiras.

Ribeiro afirma que o Brasil precisa dar sinais de que as contas públicas são sustentáveis ao longo do tempo e que o caminho para promover os investimentos necessários em infraestrutura é o mesmo que foi traçado desde o governo Michel Temer, por meio de concessões ao setor privado.

“Esse é o caminho. Não é o setor público estrear a erigir coisas. Você tem bons projetos já mapeados, que têm de ser agilizados, mas só vai conseguir fazer isso se esse nível de incerteza estiver reles. O primeiro ponto é tentar ao sumo reduzir incertezas e retomar a agenda, em privativo de infraestrutura e da questão fiscal, para sossegar.”

Manancial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *